Pequeno Príncipe realiza transplante cardíaco durante a pandemia da COVID-19

Matheus Felipe Pol Livramento tem 14 anos e, no dia 5 de junho, ganhou um novo coração em um transplante realizado no Hospital Pequeno Príncipe, durante a pandemia do coronavírus (COVID-19). Ao contrário de muitas histórias sobre transplantes, o adolescente aguardou apenas oito dias na fila para conseguir a doação. “Quando o telefone tocou e o médico me avisou que tinha surgido um coração para o meu filho, não acreditei, mal consegui respondê-lo. Por estarmos no meio de uma pandemia, eu achava que demoraria meses e até anos para essa doação acontecer”, conta a mãe, Helena Pol Vicente Livramento.

Assim como a doação foi rápida, a recuperação de Matheus também está surpreendendo os médicos. Quatro dias após a cirurgia, o garoto já conseguiu sentar-se em uma poltrona e, 20 dias depois do transplante, ele recebeu alta. Até os 10 anos de idade, a família de Matheus desconhecia o seu quadro. “Ele passou mal durante um acampamento e naquele momento descobrimos que tinha arritmia. Esse quadro foi evoluindo. Tentamos outros procedimentos, como ablação e uma cirurgia para correção de válvula, mas não tivemos o resultado necessário e o transplante tornou-se a única alternativa”, afirma.

Mais detalhes sobre a história de Matheus estão na 8ª edição do Pequeno Príncipe News – Edição especial COVID-19, que também apresenta uma matéria sobre um projeto do Hospital que está levando a outras quatro instituições brasileiras – entre elas, o Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), o maior hospital da América Latina – seu modelo de controle de antimicrobianos.

A resistência aos antimicrobianos ocorre por vários fatores, como o uso excessivo dos medicamentos, prescrições equivocadas, doses inadequadas, uso dos antibióticos fora da área de saúde, poucas ações de controle, entre outras. “Nós corremos o risco de perder o efeito de um grande aliado na promoção da saúde, que são os antibióticos”, alerta o médico pediatra coordenador do projeto, Fábio Motta. A expectativa dos estudiosos desse assunto é que este cenário possa vir a se agravar com a atual pandemia do coronavírus.

O modelo desenvolvido pelo Pequeno Príncipe, mais conhecido como Stewardship de Antimicrobianos, tem como um dos principais resultados a redução de dias de uso de antibióticos. Em 2019, por exemplo, houve uma diminuição de 690 dias de uso do antibiótico vancomicina na UTI Neonatal.

Boletim COVID-19
Por fim, o Pequeno Príncipe News apresenta um boletim informativo sobre os atendimentos de pacientes com casos suspeitos da COVID-19. Desde 4 de março até 3 de julho, o Hospital investigou 232 pacientes com suspeita da doença e 27 deles foram confirmados. Destes, em 3 de julho, oito seguiam internados, recebendo todos os cuidados necessários, sete estavam em isolamento domiciliar, 15 estavam recuperados e, infelizmente, dois foram a óbito.

Clique aqui e confira na íntegra as notícias da 8ª edição do Pequeno Príncipe News – Edição especial COVID-19.