Pesquisa mundial sobre o coronavírus busca voluntários

A equipe do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe que integra o “COVID Human Genetic Effort” está buscando voluntários para participar do estudo. O projeto é liderado pelos pesquisadores Jean-Laurent Casanova e Helen Sue, e reúne imunologista do mundo inteiro. “Queremos entender como e por que algumas pessoas são mais suscetíveis do que outras para desenvolver a forma grave da COVID-19”, explica a médica e coordenadora do projeto na região Sul do Brasil, Carolina Prando, que faz parte da diretoria internacional da iniciativa.

Para participar da pesquisa são necessárias algumas condições, como:
– ter sido infectado pelo SARS-CoV-2 com necessidade de internação; ou
– morar na mesma residência de uma pessoa que ficou em estado grave, compartilhando objetos pessoais, e não ter se contaminado ou ter apresentado a forma leve da doença.

Os pesquisadores retiram quatro miligramas de sangue do voluntário. Essa amostra passa por um exame molecular chamado exoma, que sequencia, ao mesmo tempo, 22 mil genes presentes no genoma humano, identificando alterações que possam estar relacionadas com o agravamento ou com a resistência ao coronavírus (SARS-CoV-2).

A médica Carolina, que coordena o projeto no Instituto de Pesquisa, destaca que a coleta do sangue pode ser feita a qualquer momento, mesmo após a internação. “O voluntário não precisa estar com os sintomas da COVID-19 no momento da doação de sangue para a pesquisa”, esclarece. Os interessados em participar do estudo podem entrar em contato com a equipe da pesquisadora pelo e-mail [email protected]

Este é um dos assuntos abordados na 11ª edição do Pequeno Príncipe News – Edição especial COVID-19, que também apresenta uma matéria sobre a garantia do direito de acompanhamento em UTI, mesmo em casos de COVID-19. Passar por uma internação acompanhado de uma pessoa da família, preservando, assim, os vínculos afetivos e a saúde emocional da criança e do adolescente, é um direito garantido no Hospital antes mesmo de se tornar lei, com a promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em 1990.

Na pandemia, no entanto, as autoridades de saúde entenderam que seria mais seguro suspender o acompanhamento nas internações, reduzindo, assim, os riscos de contaminação do próprio acompanhante, bem como dos profissionais da saúde e dos demais pacientes. “Como uma instituição que tem a humanização como uma de suas diretrizes, nós decidimos continuar garantindo esse direito, mesmo para os pacientes confirmados com COVID-19. Revisamos nossos fluxos e protocolos para que as crianças possam continuar acompanhadas”, explica o diretor técnico do Hospital, Donizetti Dimer Giamberardino Filho.

Boletim COVID-19
Por fim, o Pequeno Príncipe News apresenta um boletim informativo sobre os atendimentos de pacientes com casos suspeitos da COVID-19. Desde 4 de março até 31 de julho, o Hospital investigou 380 pacientes com suspeita da doença e 56 casos foram confirmados. Destes, em 31 de julho, 12 seguiam internados, recebendo todos os cuidados necessários, 20 estavam em isolamento domiciliar, 22 estavam recuperados e, infelizmente, dois foram a óbito.

Clique aqui e confira na íntegra as notícias da 10ª edição do Pequeno Príncipe News – Edição especial COVID-19.