Pequeno Príncipe na luta contra a violência infantojuvenil

No Brasil, a cada seis minutos acontece um caso de violência contra uma criança ou um adolescente. Contribuir para mudar essa triste realidade faz parte da atuação do Hospital Pequeno Príncipe, que desde a sua criação atende pacientes vítimas das mais variadas formas de violência. Com uma equipe multidisciplinar, a instituição é um centro de referência para esses meninos e meninas. Além de oferecer atendimento médico e psicológico, acolhimento e proteção, o Hospital mobiliza a sociedade, desde a década de 1970, para uma postura protetiva, por meio de campanhas que ajudam a fazer o diagnóstico precoce, orientam sobre a importância da denúncia e empoderam as crianças e os adolescentes sobre o seu direito de dizer não às violências.

A Campanha Pra Toda Vida – A violência não pode marcar o futuro das crianças e adolescentes, iniciada em 2006, desenvolveu materiais que orientam profissionais da saúde e da educação para a identificação precoce dos casos. As cartilhas divulgam os protocolos de atendimento e denúncia. Estimula também os cidadãos (vizinhos, amigos, parentes) a denunciar a suspeita dos maus-tratos e encoraja crianças e adolescentes a pedirem ajuda.

Clique aqui e conheça  a Campanha Pra Toda Vida.

Tristes estatísticas: o agressor é quem deveria proteger

Só em 2017 chegaram para atendimento no Pequeno Príncipe 607 crianças e adolescentes por suspeita de violência. A maioria delas, 317, relacionada a abuso sexual. A própria casa dos meninos e meninas é apontada como o local em que mais acontecem esses abusos, maus-tratos e negligências. E em 72% das vezes a violência é praticada por alguém da família. Ou seja, quem deveria cuidar e proteger é quem pratica os abusos.

“Muitas vezes o agressor é quem deveria cuidar dessas crianças. São pessoas conhecidas dela e da família. Por isso todas as pessoas, como professores, cuidadores, vizinhos, por exemplo, são responsáveis por zelar e denunciar qualquer suspeita”, ressalta a psicóloga responsável pelos atendimentos no Hospital, Daniela Prestes. Como muitos meninos e meninas não sabem se comunicar verbalmente pela pouca idade, é de extrema importância que as pessoas próximas percebam mudanças de comportamento, marcas pelo corpo, mudanças no humor, higiene ou indícios de que eles estejam sofrendo algum tipo de agressão. “Muita gente acha que os pais são ‘donos’ da criança. Mas isso não é verdade. É responsabilidade de toda a sociedade proteger estas crianças e adolescentes”, completa a psicóloga.

Confira também o vídeo preparado para sensibilizar a população para o Dia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes:

Leia mais: 
Especialista da Universidade de Columbia aponta consequências da violência no desenvolvimento infantil
Fique atento aos sinais de violência